Conecte-se

FacebookTwitterInstagramYoutube

dpcontinente

A Polícia Civil capturou em Florianópolis uma mulher foragida da Justiça do Rio Grande do Sul. A prisão ocorreu na praia do Forte, na tarde de terça-feira (24), por policiais civis do Setor de Investigação e Capturas da Delegacia de Polícia do Continente.

A mulher responde perante o juízo de Porto Xavier (RS) pelos delitos de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Em razão da fuga, havia sido expedido mandado de prisão preventiva. Ela foi conduzida à Penitenciária Feminina da Capital.

 desap

No sábado (21), a Polícia Civil participou de uma mobilização conjunta do programa Conecta, na cabeceira da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis.

O objetivo foi captar familiares de pessoas desaparecidas. Pela Polícia Civil, estiveram no local policiais civis da Delegacia de Pessoas Desaparecidas. O evento foi organizado pelo Instituto Geral de Perícias (IGP).

No Dia “D”, foram oferecidos os seguintes serviços: coleta de materiais e informações necessárias para posterior confecção de imagem, com a finalidade de representar a progressão de idade da pessoa desaparecida; entrevista antropológica; coleta de material biológicos dos familiares; cadastro de desaparecidos e rede de apoio aos familiares.

Programa Conecta

O programa tem como objetivo a captação de familiares de pessoas desaparecidas para coleta de material biológico e inserção dos seus perfis genéticos no Banco Estadual de Perfis Genéticos de Santa Catarina (BPG/SC), em paralelo à criação de um banco unificado contendo os dados biométricos, antropológicos e odontolegais dos desaparecidos.

WhatsApp Image 2020 11 23 at 15.25.08 1

WhatsApp Image 2020 11 23 at 15.25.08 2

 

 WhatsApp Image 2020 11 23 at 07.53.22

A Polícia Civil de Santa Catarina deflagrou a Operação “Bioma” na manhã desta segunda-feira (23) para combater crimes contra a fauna. A ação é da Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais (DRCA) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC).

A operação decorre de investigação sobre grupo criminoso que se dedica ao tráfico de animais silvestres, os quais são retirados indevidamente de seu habitat natural para abastecer e sustentar o comércio ilegal.

Estão sendo cumpridos 25 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisões temporárias expedidos pela Justiça nos Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo, tendo como alvos, em tese, comerciantes irregulares, intermediadores, caçadores, fomentadores do tráfico animal e encarregados de falsificar anilhas e documentação.

As diligências estão ocorrendo simultaneamente em 15 cidades.

Em Santa Catarina, nas cidades de Itajaí, Itapema, Penha, Biguaçu, Antônio Carlos, Tijucas, Balneário Camboriú, Joinville, Timbó, Guabiruba e Blumenau.

No Estado do Rio Grande do Sul em Arroio Grande e Rio Grande.

No Estado de São Paulo em Osasco e em São Paulo.

Até às 14h45min, três pessoas que tiveram prisão decretada haviam sido presas.

O tráfico e o comércio ilegal de animais

Trata-se de um mercado altamente nocivo à fauna brasileira, que movimenta volumosos valores, atrai aqueles que pagam para ter animais e aves raras a qualquer custo, perdendo apenas para a movimentação financeira do tráfico de drogas e de armas.

Animais de várias espécies, principalmente aves, vindos de diversos Estados, além daqueles que são capturados em Santa Catarina, alimentam o mercado ilícito de animais silvestres. São utilizados pelos criminosos documentos e anilhas falsas para dar uma aparência de licitude à atividade comercial.

Além da captura ilegal, dos maus tratos e mortalidade durante o transporte, da comercialização por preços altos, das fraudes contra compradores, o mercado irregular de animais e aves silvestres traz um prejuízo enorme ao meio ambiente, uma vez que a retirada destes animais de seus habitats naturais e sua manutenção em ambiente doméstico gera desequilíbrios aos ecossistemas de origem.

Ainda, são comuns os casos de aquisição e posterior abandono do animal em meio ambiente inadequado, devido à dificuldade no trato e adaptação ao novo meio, gerando um novo problema ambiental e mais sofrimento aos animais.

Apoio e integração

Durante a operação, a Polícia Civil de Santa Catarina teve o apoio da Polícia Civil de São Paulo, da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, do Instituto do Meio Ambiente de SC (IMA) e do IBAMA.

Crimes

Os envolvidos poderão responder por crimes de associação criminosa, maus tratos a animais, caça de espécies da fauna silvestre, falsidade documental entre outros delitos.

Denuncie

Denúncias sobre tráfico de animais podem ser feitas por meio do número 181 da Polícia Civil.

WhatsApp Image 2020 11 23 at 07.11.44 1

WhatsApp Image 2020 11 23 at 08.28.19

WhatsApp Image 2020 11 23 at 07.20.11

WhatsApp Image 2020 11 23 at 06.42.42

WhatsApp Image 2020 11 23 at 06.34.51

WhatsApp Image 2020 11 23 at 08.28.20

WhatsApp Image 2020 11 23 at 08.35.25

WhatsApp Image 2020 11 23 at 06.42.42 1

WhatsApp Image 2020 11 23 at 06.42.42 2

WhatsApp Image 2020 11 23 at 06.40.04

WhatsApp Image 2020 11 23 at 06.29.09

WhatsApp Image 2020 11 23 at 07.05.45

WhatsApp Image 2020 11 23 at 07.20.52

Delegada de Polícia Beatriz Ribas sobre a operação:

WhatsApp Image 2020 11 20 at 19.53.36

A Polícia Civil de Santa Catarina presta seu reconhecimento e agradece o apoio incondicional da Guarda Municipal de Paranaguá (PR), Polícia Civil do Paraná, Polícia Militar do Paraná e da Polícia Rodoviária Federal através da Diretoria de Inteligência e Superintendências do Paraná e de Santa Catarina, no translado do corpo do Agente de Polícia Marcos Vilvert, falecido esta manhã (20) no Estado vizinho.

Neste momento de dor da família e dos amigos, vemos na união das forças de segurança pública a certeza de que o sacrifício, o esforço e a vida dedicados ao combate nos torna unos e imbatíveis.

Florianópolis, 20 de novembro de 2020.

WhatsApp Image 2020 11 20 at 16.14.36

A Polícia Civil de Santa Catarina manifesta o profundo sentimento de pesar pelo falecimento do Agente de Polícia Civil Marcos Antonio Vilvert, 51 anos, nesta sexta-feira (20).

O policial civil ingressou na Polícia Civil em 1994. Trabalhou em unidades policiais nos municípios de Joinville e Ibirama, na DEIC, e em Florianópolis na Delegacia de Homicídios, onde atuava desde a sua criação, em 2008. Nossos sentimentos aos familiares, amigos e colegas e o agradecimento pela dedicação e o serviço prestado à instituição.