Conecte-se

FacebookTwitterInstagramYoutube

COLETE DIC 01

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC/PCSC) de Lages, concluiu nesta segunda-feira (27) um inquérito policial que investigou a morte de um homem ocorrida em 02 de janeiro, no presídio Masculino de Lages.

A vítima estava presa com outros 12 detentos e, na manhã do dia 02 de janeiro, foi encontrada morta, enforcada na janela da cela.

As Polícias Civil e Científica foram acionadas e iniciaram os trabalhos periciais e de investigação. A cena do crime pretendia sugerir um suicídio. No entanto, os policiais notaram marcas no corpo da vítima que apontavam para um homicídio.

Foram realizadas diversas perícias na vítima, nos presos, no local do crime, nos objetos da cela e análises do material recolhido pelos policiais. As investigações apontaram que a vítima foi morta por afogamento, após ser dominada, estrangulada e pendurada pelo pescoço na janela da cela, simulando um suicídio por enforcamento.

Descobriu-se, ainda, que o crime ocorreu após autorização de uma organização criminosa que atua no sistema penitenciário catarinense. A vítima teria praticado atos que não eram aceitos pela facção e demais detentos.

Os presos prestaram depoimento. Sete deles foram indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e fraude processual. Outros quatro foram indiciados por falso testemunho. Os autos foram encaminhados ao Poder Judiciário.

COLETE TRÁS

A Polícia Civil, por meio da 2ª Delegacia de Polícia da Comarca de Lages, cumpriu na terça-feira (31), um mandado de prisão preventiva contra um homem por crime de estupro e roubo ocorrido em Lages.

A prisão ocorreu na terça-feira (31), em via pública, no bairro Bela Vista. O homem foi encaminhado ao Presídio Masculino de Lages, onde permanece à disposição do Juízo da Comarca de Lages.

Viatura 12y

Policiais civis da 3ª Delegacia de Polícia da Comarca de Lages cumpriram na terça-feira (31) um mandado de prisão do último dos envolvidos em um furto de um caminhão que ocorreu em Lages na madrugada de 09 de maio deste ano. A prisão ocorreu em Bituruna, no Paraná.

O caminhão pertence a uma construtora e estava estacionado no pátio de um posto de combustíveis, às margens da BR-116, no bairro Cidade Alta, quando foi furtado. Houve a investigação e a identificação de um dos envolvidos.

Um dos investigados passou a ser monitorado e foi descoberto, através de imagens de um posto de combustíveis de General Carneiro (Paraná), que o caminhão subtraído se encontrava estacionado no pátio do estabelecimento. Foi então identificado um segundo envolvido.

Quadrilha

Os suspeitos ainda cometeram outros delitos durante a apuração: uma tentativa de furto em Mafra e a subtração de um caminhão em Campos Novos. A suspeita é que a quadrilha atuava desde a região Serrana, Norte e Meio-Oeste de Santa Catarina até o Sudoeste do Paraná e que o destino dos veículos subtraídos era a região de Bituruna (Paraná).

Considerando o monitoramento dos investigados, na noite de 25 de maio, em Bituruna (PR), dois homens, um deles identificado como o terceiro envolvido na quadrilha, foram presos em flagrante pelas Polícias Civil e Militar do Paraná em posse do caminhão subtraído em Campos Novos.

Neste tempo, a Justiça já havia deferido representações de prisão e de busca e apreensão para dois dos envolvidos e nas residências dos mesmos. Em posse das medidas judiciais, um dos homens, que era foragido da prisão, foi preso por policiais civis da 3ª Delegacia de Polícia de Lages na tarde do dia 29 de maio, em Caçador, com o apoio da Delegacia da Comarca de Caçador e da PM. No local foram encontradas ferramentas referentes ao furto do caminhão de Campos Novos.

Na continuidade da investigação, com o deslocamento dos policiais civis da 3ª DP de Lages ao Paraná houve o cumprimento do mandado de prisão de homem investigado e da busca e apreensão na residência do mesmo.

Esta prisão contou com o auxílio de policiais civis da Divisão de Investigação Criminal (DIC/PCSC) de Porto União e de policiais militares do Paraná. Na residência foram encontrados objetos pertencentes ao caminhão subtraído em Lages na madrugada de 09 de maio.

Viatura Sirene Dia

Na segunda-feira (30), a Polícia Civil de Santa Catarina, por meio da Delegacia da Comarca de Correia Pinto, cumpriu um mandado de prisão contra um suspeito de ter cometido o homicídio de um homem em Correia Pinto.

O crime ocorreu no dia 20 de maio deste ano, quando ele foi morto a pedradas. Em menos de 24 horas, a Polícia Civil elucidou o crime e representou pela prisão preventiva do suspeito.

Viatura sirene noite

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal de Lages (DIC/PCSC), identificou o suspeito dos disparos contra um homem que trabalhava em uma floricultura no bairro Coral, em Lages.

O investigado, no início da noite do dia 05/05/2022, entrou na floricultura onde a vítima estava e, de imediato, passou a desferir disparos de arma de fogo contra ela, que ficou gravemente ferida e foi socorrida pelo SAMU.

A Polícia Civil realizou as investigações. Foram colhidos depoimentos, realizadas perícias e analisadas imagens de câmeras de monitoramento. No dia 07/05/2022, a roupa usada pelo suspeito foi localizada em uma rua do bairro São Sebastião, recolhida e encaminhada para a Polícia Científica.

Com o avanço das investigações, os policiais conseguiram identificar o suspeito dos disparos e foi representado pela expedição de mandado de prisão e de busca e apreensão. Os pedidos foram deferidos pelo Poder Judiciário.

No sábado (21), o investigado foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Rio do Sul, local para onde havia fugido. Ao mesmo tempo, a DIC/PCSC de Lages iniciou o cumprimento do mandado de busca e apreensão em sua residência no bairro Gethal.

Durante as buscas, foram apreendidos a motocicleta usada no crime, um capacete e uma porção de drogas. Após a prisão do investigado pela PRF, também auxiliaram nas diligências a DIC/PCSC de Rio do Sul e a Polícia Penal de Rio do Sul, para onde o preso foi encaminhado.

As investigações passam agora para a fase final de diligências, oitivas de mais testemunhas e exames periciais, devendo ser encerrada nos próximos 30 dias, podendo esse prazo ser prorrogado.